A circuncisão feminina, ainda é tradição.
Postado por Maha - | Categorias: , ]

A prática generalizada da circuncisão feminina é destaque no norte do Iraque, esta é a situação das mulheres em uma região muitas vezes vista como socialmente mais progressista.
Na foto, Sheelan Anwar Omer, sete anos de idade será a nova vítima desta absurda tradição. Para fazer a circuncisão feminina são feitos diferentes tipos de operações no órgão genital da mulher, até a remoção completa da cabeça e partes do corpo do clítoris(clitoridectomia - klitoridektomiya) e pequenos lábios genitais.
Veja mais detalhes sobre este ato cruel nas fotos abaixo, uma história contada passo a passo.
Sheelan Anwar Omer, 7, a segunda à direita, fica com as meninas do bairro dela, esperando para uma festa que sua mãe prometeu.
Sheelan entra na sala em busca de um presente que sua mãe havia prometido. A mulher desconhecida fecha a porta e a mãe manda se despir.
Sheelan e sua mãe assistem a parteira preparar as ferramentas da circuncisão, logo Sheelan percebe o que está para acontecer.
Maharoub Juwad Nawchas, uma parteira de 40 anos, com tatuagens tradicionais dos curdos cobrindo seu queixo, prepara a área onde vai realizar a circuncisão feminina, com uma lâmina nova e anti-séptico.
Garotas vizinhas entram na casa onde Sheelan está sendo circuncidada.
A parteira conforta Sheelan após o corte de parte de sua genitália com uma lâmina.
Como a parteira corta parte da genitália Sheelan, a menina solta um gemido agudo ouvido por todo o bairro.
Sheelan continua chorando após a circuncisão.
Sheelan mantém um pano em seus órgãos genitais após a circuncisão. "Eu só queria poder ser do jeito que era antes", disse ela.
Sheelan recebe um saco de doces e refrigerantes de sua mãe depois de ser circuncidada.
A Parteira Maharoub Juwad Nawchas conta o dinheiro que ganhou para circuncidar Sheelan e outras cinco garotas. Ela cobra 4 mil dinares Iraquianos, pouco menos de 3,50 dólares por uma circuncisão. Ela aprendeu com a mãe, que a usou para realizar o procedimento de forma gratuita. Ela "operou" cerca de 30 meninas por ano nas últimas duas décadas.

 Até onde vai a estupidez humana. Alguns podem dizer que trata-se de uma tradição e temos que respeitar, mas a meu ver isso é uma imbecilidade humana, estamos em pleno século XXI. Quando é que esse ciclo de maldade vai terminar?
Quem sabe a garota da matéria, a Sheelan Anwar Omer, quebre esse ciclo e não faça isso com suas filhas.

Fonte

1 Comentário(s), faça o seu também!!!

Mikasmi disse... @ 30 de janeiro de 2011 20:56

É verdadeiramente arrepiante...

Apesar do muito que já se tem falado sobre o assunto, tudo se mantém, parece que nada se faz.

Postar um comentário

Faça seu comentário, será bem vindo!
Todos os comentários serão moderados, então por favor não escreva ofensas ou faça alusões a qualquer tipo de preconceito.

Os comentários dos leitores não refletem as opiniões do blog.

Posts Relacionados